Turismo sustentável: o que é e como praticar?

Ao falar de sustentabilidade, geralmente lembramos de ações ligadas à ecologia e ao meio ambiente. Na mesma linha, quando falamos de turismo sustentável, é comum pensarmos em roteiros de ecoturismo ou em experiências que coloquem o viajante em contato direto com a natureza. Na verdade, o conceito de sustentabilidade é bastante amplo e abrangente, permitindo múltiplas interpretações.

As primeiras formulações que atrelam turismo e sustentabilidade datam da década de 90, quando a Agenda 21 para o setor de viagens e turismo, publicada pela OMT (Organização Mundial do Turismo), define o turismo sustentável como aquele que satisfaça às necessidades dos turistas e das populações receptoras de forma atrelada à conservação do patrimônio. Em 2005, a OMT redefine o conceito, apresentando-o como aquele que “atende às necessidades dos turistas de hoje e das regiões receptoras, ao mesmo tempo em que protege e amplia as oportunidades para o futuro”.

Ainda em 2005, a UNEP (United Nations Environment Programme) e a WTO (World Tourism Organization), recomendaram 3 princípios norteadores para o planejamento em turismo sustentável, que podemos resumir em conservação ambiental e a otimização do uso dos recursos ambientais; respeito à autenticidade sociocultural das comunidades anfitriãs; e garantia de operações econômicas viáveis.

Para melhor entendermos esses princípios e saber como aplicá-los na prática, o “Viaje fora caixa” propõe a análise do turismo sustentável a partir das seguintes perspectivas:

Social

A prática turística sustentável deve considerar a integridade cultural e a qualidade de vida da população receptora, através da preservação dos espaços, da história e das tradições locais. Viajar para uma outra cidade, estado ou país é uma excelente oportunidade de conhecer novas culturas e estilos de vida, aprendendo com essas experiências.

Toda e qualquer comunidade tem uma história a contar. É interessante conhecer registros, documentos, experiências, memórias e resgates da população local, visitando, por exemplo, prédios históricos, associações, museus e centros culturais. São oportunidades não apenas de conhecer o passado, mas também de compreender as transformações que levaram à construção do presente.

Conhecer a culinária típica da região também é uma excelente oportunidade de imersão cultural. Do turista, espera-se um comportamento respeitoso em relação à comunidade receptora e a valorização da cultura local.

Ambiental

O turismo sustentável deve promover a conservação dos recursos naturais locais, reduzindo e mitigando impactos negativos na fauna, flora e meio ambiente. Existem inúmeras formas de atuar como um “turista sustentável” nesse quesito:

  • Opte por meios de transporte que reduzam a emissão de gases de efeito estufa, como traslados compartilhados, metrô, bicicleta e caminhadas, que também são uma excelente oportunidade de conhecer mais a fundo a região.
  • Invista em estabelecimentos – como hotéis, restaurantes e prestadores de serviço – que promovam ações ambientais, que vão desde a simples reciclagem e destinação correta do lixo, até programas de economia de água e energia, uso de produtos menos agressivos ao meio ambiente e adoção de fontes de energia renováveis.
  • Além de descartar o lixo corretamente, reduza os resíduos utilizados durante a viagem, adotando, por exemplo, garrafas e sacolas reutilizáveis. Também evite o desperdício de água e energia elétrica, seja no hotel ou nos demais estabelecimentos que você estiver visitando.
  • Não danifique e nem recolha plantas, pedras e demais elementos da natureza. Também não maltrate animais silvestres e nem pose para fotos ao lado de animais selvagens mantidos em cativeiro (muitas vezes, sob efeito de drogas). A melhor recordação que você pode ter da sua viagem é a vivência daquele momento.

Econômico

O turismo é considerado uma importante atividade de geração de emprego e renda que leva ao desenvolvimento regional. É possível investir nesse quesito apoiando programas sociais mantidos na comunidade como, por exemplo, o trabalho de cooperativas de artesanato ou de produtores de alimentos típicos da região. São formas de valorizar a cultura local e, ao mesmo tempo, gerar receita para as famílias.

Em contrapartida, você poderá adquirir produtos únicos e provar alimentos com sabores especiais, que farão com que se lembre sempre daquela experiência. Porém, ao escolher um “souvenir”, verifique a procedência e aos materiais utilizados para produzi-lo, evitando aqueles que causem dano ao meio ambiente ou incentivem o trabalho infantil ou escravo.

Considerando o grande e crescente volume de viajantes pelo mundo, consumindo e gerando impactos que também são grandes, a aplicação da sustentabilidade ao turismo é um projeto desafiador. Por isso, é fundamental que todos os públicos envolvidos com a atividade turística estejam sensibilizados e conscientizados sobre o tema.

É importante lembrar que não há atividade turística que não cause impactos, sejam eles positivos ou negativos. Da mesma forma, não há uma viagem ou um viajante que seja 100% sustentável, até porque o grande desafio da sustentabilidade é justamente a busca pelo equilíbrio entre os pilares social, ambiental e econômico.

Para buscar esse equilíbrio, é importante repensar a nossas formas de ver, pensar e consumir e, portanto, de se relacionar com o mundo que nos rodeia. Sendo assim, viajar de forma sustentável não se limita à escolha de um destino “verde”, mas também representa uma mudança de comportamento e de perspectiva para cada um de nós.

No futuro, espera-se que o turismo sustentável não seja entendido como uma forma especial de turismo, visto que – em uma sociedade comprometida com o desenvolvimento sustentável – todo e qualquer destino turístico deve ser analisado do ponto de vista de sua sustentabilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *